Fora de mim (parte 2/2)  

Posted by Bruno Fehr in

Está muita gente na rua. É normal haver muito de movimento a esta hora, pessoas a sair de casa a caminho do trabalho. A minha rua normalmente é um ponto de passagem, mas hoje parece ser um ponto de paragem. Várias de dezenas de pessoas estão agrupadas mesmo em frente à porta do meu prédio e por baixo da janela do meu quarto, portanto está mais do que visto que tão depressa não vou poder dormir.

Não resisto e aproximo-me da multidão. Não sei como explicar mas há algo de irresistível numa multidão, como que um magnetismo humano que nos atrai. Ao referir-me a essa atracção como magnetismo é como estar a camuflar algo banal, fazendo parecer especial. Não, não é nada de mágico é a simples e estúpida curiosidade humana que nos faz ir ver o que todos os outros estão a ver. Não que a curiosidade seja má. A curiosidade é boa, quando temos curiosidade em saber o que mais ninguém sabe e chegar onde mais ninguém chega, mas quando nos leva a querer ver o que toda a gente já viu e sabe, não é mais do que uma fraqueza. A esta hora da manha, depois de uma noite de copos e festa, não tenho forcas para ter vontade própria e aproximo-me da multidão como uma ovelha se aproxima do rebanho.

Ao aproximar-me, reparo que todos olham para o mesmo local. Está algo ou alguém ali no passeio e é o centro das atenções. Um rapaz. Esta um rapaz deitado no passeio. Assim de repente não encontro justificação para alguém estar deitado no passeio, a não ser que tenha sido atacado, esteja bêbedo ou se atirado do topo deste edifício, se assim foi é bom que tenha sido do topo, pois o meu prédio só tem 3 andares e mesmo saltado do terceiro andar as probabilidades de sobreviver deveria ser suficientes para desmotivar o salto. O rapaz tem um sorriso na cara, parece estar em paz. Eu conheço-o… acho que o conheço. A cara dele… a roupa… é-me tudo tão familiar mas não me consigo lembrar quem é nem de onde o conheço. Talvez more aqui na rua. Ouço no meio da multidão um nome:

“-Pedro, o nome dele é Pedro”, diz uma senhora de idade.

O meu nome também é Pedro. Quero saber mais, sobre ele. Sinto algo dentro de mim que me compele a saber mais. Tenho um sabor azedo na boca e não e vomito como seria de esperar de alguém que fez as misturas alcoólicas que eu fiz esta noite. E um sabor a… pilhas ou baterias… aquela sabor quando se toca com a língua numa pilha. Uma amiga disse-me um dia que esse era o sabor da morte, talvez… talvez ela seja louca.
Pergunto se alguém sabe o nome de família. Não pergunto a ninguém em especial, faço a pergunta para o ar, esperando que qualquer daquelas pessoas me responda. Ninguém responde, ninguém parece sequer ter reparado que eu fiz uma pergunta. Tento mais uma vez, desta vez pergunto se alguém sabe onde ele mora. Mais uma vez sou ignorado. Talvez a solução seja perguntar a alguém em particular. Vejo o meu vizinho do primeiro andar, aproximo-me e tento atrair a sua atenção:

"Bom dia Sr.João"

Nada, parece não me ouvir ou esta a ignorar-me. Recorro ao toque, apesar de odiar tocar em pessoas as vezes e a única maneira de lhes chamar a atenção. Ao tentar tocar-lhe no ombro sinto uma brisa gelada que em segundos passou por mim, ao ver a minha mão a passar pelo corpo dele como se ele não estivesse ali. Olho para o chão, fixo a cara do rapaz. Pedro, Pedro Fernandes, este rapaz deitado no passeio… sou eu! Como pode ser? Como posso estar aqui, no meio da multidão a olhar para mim, deitado no passeio?

Estou fora de mim! Só posso estar fora de mim, o que é algo que me acontece regularmente mas nunca aconteceu literalmente.

A multidão está a ficar animada, isto já parece uma festa em que eu sou o convidado de honra, não eu aqui em pé, mas o eu ali deitado. As pessoas parecem ter esquecido que é dia de trabalho. Começam as chegar os VIP´s da festa, os primeiros a chegar são os bombeiros seguidos da policia. Incrível como a policia consegue chegar mais tarde, tendo de percorrer um terço do caminho. O primeiro bombeiro parece verificar os sinais de vida, olha para o segundo bombeiro a acena negativamente dizendo: “nada a fazer”. Nada a fazer? Que idiotas, com todo o respeito pelo trabalho desenvolvido pelos bombeiros voluntários, eles não tem formação medica para fazer julgamentos deste tipo. O que eu preciso é de um medico, não de um bombeiro, só espero é que o medico não seja legista, pois só conheço um tipo de pessoas que precisam de um medico dessa especialidade e essas pessoas não voltam a ser vistas com saúde.

E se morri? Pelos visto morrer e como levar um par de cornos, somos os últimos a saber e nunca descobrimos de um forma suave.

Vejo que me colocam na ambulância, reparo que a minha cara vai coberta. E engraçado ver que o cientista que me declarou morto é o condutor, provavelmente quando não esta a conduzir ambulâncias é taxista de profissão.

Se morri, dentro de horas estarei numa maca enquanto me abrem para ver a minha beleza interior. Eu acho que a autopsia só é obrigatória, não para determinar a causa de morte em todas as mortes, pois alguém com um buraco na cabeça feito por uma Glock tem a causa de morte determinada sem ser necessário abrir-lo de alto a baixo. A autopsia existe sim e é obrigatória para evitar problemas futuros. Desta maneira mesmo que a pessoa não esteja mesmo morta e esteja sim num coma profundo em que o batimento cardíaco não é detectado, podemos afirmar com toda a certeza que não ira sobreviver à autopsia.

Não estou convencido, se morri o que raio estou aqui a fazer a olhar para a uma ambulância a partir comigo la dentro? Não deveria eu ir para o “outro lado”? Seja lá esse lado onde for, certamente não é aqui, se fosse, não lhe chamariam o “outro” lado mas sim, este lado, o mesmo lado ou a mesma merda não outra. Sei lá ir para o céu, para o inferno ou para aquele sitio de que falam entre o céu e o inferno, onde se decide para onde a alma devera ir, o purgatório. Será que a minha vida foi tão complicada que nem para ai tenho o direito de ir. Eu sei que não fiz nada na minha vida para merecer ir para o paraíso, ainda bem. Acho que passar a eternidade a fazer piqueniques em imensos jardins a ouvir anjos a tocar harpa seria uma tortura e não uma recompensa, ainda por cima passaria a ser eunuco, visto que os anjos não tem sexo. Que chatice. Se não fiz bem para ir para o céu é porque fiz mal, portanto não há necessidade de ser julgado no purgatório e posso passar directamente para o inferno. O inferno será certamente mais quente, o álcool e o sexo serão certamente admitidos e possivelmente obrigatórios, fazendo o inferno parecer-me muito mais apetecível. Mas, não, continuo aqui. Devo ter levado mesmo uma vida de abusos e pecado, ao ponto de nem no inferno poder entrar e o meu castigo ser ficar aqui na mesma vida mas sem o corpo que acabou de morrer. Que merda.

Pode ser que haja regras, sei la um anjo da morte que nos indica o caminho a seguir, um túnel a travessar um autocarro, qualquer coisa. Se há regras, podiam pelo menos informar os potenciais interessados, neste caso os recém falecidos como eu. Olho em volta, procuro alguém com um robe preto e um capuz, a imagem na minha mente do “Grim Reaper” ou na versão mais suave de Florbela Espanca a “Sra. Dona Morte”. Não vejo ninguém que se possa parecer com a morte. Pelo visto nem morto eu chego ao destino a horas.

Ninguém me ouve, ninguém me vê e como se não existisse. “Penso logo existo”, claro que sim, se não existisse não poderia estar a pensar nisso. Mas como podemos provar a nossa existência perante terceiros, não que isso seja importante, mas como poderemos provar a nossa existência a nos próprios sem a ajuda de terceiros? Principalmente quando se tem as duvidas que eu tenho.

Esta coisa de estar morto não é nada do que eu imaginava. Ainda tenho vontade própria, portanto é mentira que o único funeral que não podemos evitar ir é o nosso. Não. Eu posso decidir não ir ao meu funeral, já me levaram e eu não fui comigo, portanto…
Estou a sonhar e este é sem duvida o sonho mais estranho que já tive. Sonhar que morri e estar a analisar os motivos da minha própria morte. Sempre imaginei como seria morrer num sonho. Sempre acordei segundos antes de morrer em sonhos, lembro-me que acordava bastante mal disposto, pois queria saber como seria. Sonhos em que perdia o controlo do carro e caia num precipício e acordar a centímetros de embater no chão. Por um motivo ou outro cair de um edifício alto, sentir toda a queda mas nunca o embate no chão. Uma noite sonhei que tinha levado um tiro. Foi antes de ter tido qualquer tipo de contacto com armas, diversas anos antes de ter entrado no exercito Português. No sonho levei um tiro, senti uma dor impressionante no peito como uma queimadura mas dentro do meu peito. Lembro-me de sentir o sabor a sangue na boca, de sentir as forcas nas minhas pernas a falharem, a visão a ficar distorcida, senti uma morte lenta e dolorosa mas acordei antes do fim. Ao acordar reparo que ainda sentia a mesma dor no peito e a minha mão esquerda estava sobre o local onde a bala penetrou. Sem duvida dos sonhos mais reais que tive. No entanto não morri em nenhum deles e em todos eles havia motivo para morrer. Neste sonho não faço ideal do que aconteceu.

Sempre me disseram que acordamos antes de morrer em sonhos, pois quem morre durante um sonho não volta a acordar. Eu morri neste sonho, será que não irei acordar? Claro que irei acordar, isto não passa de sabedoria popular, que nem se pode chamar sabedoria mas sim teoria popular sem qualquer tipo de bases cientificas.

Este sonho não tem piada, estou a ficar aborrecido, quero acordar só não quero acordar morto.

Pergunto-me se estarei num sonho a espera de acordar ou se o meu subconsciente me resolveu matar num sonho. Se o subconsciente controla os nossos sonhos e se acredita que morremos nesse sonho, não ira ele impedir que eu fique consciente? Ele certamente não vê qualquer motivo em me deixar acordar visto que morri. Espero que o meu subconsciente tenha um mínimo de consciência e me acorde.

Levaram o meu corpo, ou o corpo de alguém parecido comigo ou um outro eu que não eu, aqui, neste momento a pensar.

As pessoas começam a dispersar, a estrela da manha já abandonou o local, a vida volta ao normal. Todas estas pessoa parecem bem dispostas, nada como alguém morrer na nossa rua para animar uma multidão. Fazer uma manha fora do normal, ajudar a multidão a sair da monotonia e dar-lhes algo de que falar durante o fim-de-semana. Não precisam de agradecer, foi um prazer animar o vosso dia.

Estou sozinho, finalmente, a olhar para o local onde estive deitado. Tento compreender o que aconteceu e compreender porque motivo ainda não acordei.



FIM

This entry was posted on quinta-feira, janeiro 22 at quinta-feira, janeiro 22, 2009 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

28 Devaneios

Detesto ler textos longos no computador, mas assim que li as primeiras frases não consegui deixar de ler.

Gostei.
Se algum o Pedro descobrir porque ainda não acordou e quiser contar como é o outro lado, ou qual lado for, gostava de saber.

Continua assim.

Bj

22 de janeiro de 2009 às 00:56

siim...agora queremos mais. ;)

22 de janeiro de 2009 às 01:10

Kazoo disse...

"Gostei.
Se algum o Pedro descobrir porque ainda não acordou e quiser contar como é o outro lado, ou qual lado for, gostava de saber."

O Pedro desta história nunca chegou a perceber bem o que se passou e não chegou a ver o outro lado. Estes dois textos é um resumo de um texto maior.

22 de janeiro de 2009 às 02:52

lontra (MR.) disse...

"siim...agora queremos mais. ;)"

Este texto, termina aqui na short version.

Para o próximo mês, já dei inicio a outro conto chamado "Coma", não me perguntem o que vai ser, pois apesar de já ter umas 50 páginas, não sei o que lhe fazer e depois tenho de o resumir para publicação :)

22 de janeiro de 2009 às 02:54

ás vezes, também me sinto fora de mim, é pena não sabermos se o Pedro se encontrou e descobriu o que o pôs naquele estado catatonico!!

22 de janeiro de 2009 às 03:29

A piada do texto é exactamente não se saber o que aconteceu. É o facto de ele estar mais confuso do que nós leitores que faz com que a história seja diferente. Não é como na história de Oedipus (Édipo em Português?) onde sabemos quem matou quem ainda antes de as personagens o saber, mas o contrário. Ele não percebe, nós muito menos.
Gostava de dizer mais mas... não sei :P Sei que gostei, não só do texto, como deste teu "outro lado" de ficção que não é revelado no teu outro blog.

Beijocas, e espero o próximo conto :)

22 de janeiro de 2009 às 03:36
São  

Tal como o primeiro conto que publicas-te “Matei-o” gostei deste conto, que nos prende desde o início e nos, leva a um interessante e inesperado final.
Fez-me lembrar o filme o "Sexto Sentido", em que tal como acontece no teu conto o personagem principal está morto durante todo o filme, mas tanto ele como os espectadores, só se apercebem disso no final.

22 de janeiro de 2009 às 09:46

Eu também tenho alguns problemas com textos longos, confesso. E quando vi este só pensei: "É preciso coragem..."

E lá me pus a ler.

Escrever sobre uma coisa que nunca se viveu, nem se faz a mínima ideia de como é, e que é baseada nas ideas que nos passam é... complicado. Porque quando toca a experiencias extra-corporais temos que nos basear nos livros, nos filmes etc. A menos que... Já? A sério? Conta!!!!
Ahahahh

E acaba por ser um pouco assim. Uma repetição de tudo o que vimos e ouvimos. E a coisa acaba por nao funcionar tão bem. Porque estamos a escrever sobre coisas que não sentimos, coisas que nunca experimentámos.

Esta segunda parte não me prendeu, talvez por isto.

Ok... Pronto... eu vim de outro planeta...

LOL

22 de janeiro de 2009 às 11:10

Quanto a esse texto que tens de 50 páginas, gostava de lê-lo, se quiseres dou-te o meu mail e mandas.

Mas publica um livro, terei gosto em comprar e quero um autografo :p

Bj

23 de janeiro de 2009 às 02:00

afinal acertei heheheheh...mas aqui, podias dizer tu, será q acertaste?...loool...vamos perguntar ao pedro? a esta hora, ele já deve saber! :)

26 de janeiro de 2009 às 00:00

ps - estou a gostar bastante destes teus textos e destas tuas histórias/estórias.

26 de janeiro de 2009 às 00:01

fim era um pouco previsivel :P


andas a ver o ghost whisperer :P

26 de janeiro de 2009 às 16:24

Mimi La Rose disse...

"ás vezes, também me sinto fora de mim, é pena não sabermos se o Pedro se encontrou e descobriu o que o pôs naquele estado catatonico!!"

Nao, ele nunca percebeu o que aconteceu, mas aprendeu a lidar com isso.

26 de janeiro de 2009 às 20:58

Lize disse...

"A piada do texto é exactamente não se saber o que aconteceu. É o facto de ele estar mais confuso do que nós leitores que faz com que a história seja diferente. Não é como na história de Oedipus (Édipo em Português?) onde sabemos quem matou quem ainda antes de as personagens o saber, mas o contrário. Ele não percebe, nós muito menos."

Ela nao percebe e nunca perceberá, mas irá aprender muito enquanto tenta perceber.

26 de janeiro de 2009 às 20:59

São disse...

"Tal como o primeiro conto que publicas-te “Matei-o” gostei deste conto, que nos prende desde o início e nos, leva a um interessante e inesperado final."

Final, nao final, só é final nesta curta versao. Existe um outro final na versao longa.

"Fez-me lembrar o filme o "Sexto Sentido", em que tal como acontece no teu conto o personagem principal está morto durante todo o filme, mas tanto ele como os espectadores, só se apercebem disso no final."

Eu escrevo muito com a ideia da morte, mas ninguém morre nos meus contos.

26 de janeiro de 2009 às 21:00

Jane Doe disse...

"Escrever sobre uma coisa que nunca se viveu, nem se faz a mínima ideia de como é, e que é baseada nas ideas que nos passam é... complicado. Porque quando toca a experiencias extra-corporais temos que nos basear nos livros, nos filmes etc. A menos que... Já? A sério? Conta!!!!"

Escrever sobre algo que nunca se viveu é exactamente o que escrevo, ficcao. Se tivesse vivido teria outro nome qualquer.

26 de janeiro de 2009 às 21:02

Kazoo disse...

"Quanto a esse texto que tens de 50 páginas, gostava de lê-lo, se quiseres dou-te o meu mail e mandas."

Tem 50 mas nao está terminado, aliás, longe disso.

"Mas publica um livro, terei gosto em comprar e quero um autografo :p"

Nao está nos meus planos publicar.

26 de janeiro de 2009 às 21:03

Van disse...

"afinal acertei heheheheh...mas aqui, podias dizer tu, será q acertaste?"

E pergunto mesmo, será que acertaste?

"vamos perguntar ao pedro? a esta hora, ele já deve saber! :)"

Sim ele já sabe.

26 de janeiro de 2009 às 21:04

ceptic disse...

"fim era um pouco previsivel :P"

Nao acho, porque este texto nao tem fim, aliás é o fim do primeiro capítulo, resumido :)


"andas a ver o ghost whisperer :P"

Nao sei o que é isso, mas se for um programa de TV, nao vejo, pois nao vejo TV.

26 de janeiro de 2009 às 21:05

Bem, acertei em saber o que me irias responder lol :)

Então, se ele já sabe, não quer partilhar? :D

26 de janeiro de 2009 às 21:12

Van disse...

"Bem, acertei em saber o que me irias responder lol :)"

Pois, mas isso é fácil :)

"Então, se ele já sabe, não quer partilhar? :D"

Como inventei o Pedro, já sei tudo e ele faz o que quero. Ele na história está ainda no funeral dele próprio. Eu ainda não lhe disse a verdade.

26 de janeiro de 2009 às 21:22

oh pah, isso não se faz pah, andares a espicaçar-nos a curiosidade!!! agora vais ter de publicar a historia toda! :-p

27 de janeiro de 2009 às 21:47

Van disse...

"oh pah, isso não se faz pah, andares a espicaçar-nos a curiosidade!!! agora vais ter de publicar a historia toda! :-p"

Todas as história que aqui publico, sao unicamente sinopses.

28 de janeiro de 2009 às 05:14

Já li isto há uns tempitos e coiso, não me apeteceu comentar, porque na altura sentia-me como o Pedro, por isso e estando perfeitamente ciente do que um estado emocional acarreta não comentei, devo dizer no entanto que se isto é apenas uma sinopse, então para mim está muito bom :)

3 de fevereiro de 2009 às 11:15

"Estou fora de mim! Só posso estar fora de mim, o que é algo que me acontece regularmente mas nunca aconteceu literalmente. "

posso dizer que adoro esta passagem?**

3 de fevereiro de 2009 às 13:09

I.D.Pena disse...

"Já li isto há uns tempitos e coiso, não me apeteceu comentar, porque na altura sentia-me como o Pedro, por isso e estando perfeitamente ciente do que um estado emocional acarreta não comentei, devo dizer no entanto que se isto é apenas uma sinopse, então para mim está muito bom :)"

Levei o termo "fora de mim" à letra, visto que normalmente usado de forma figurativa. Mas o texto na verdade (quando estiver acabado), será um misto de figurativo, com real com incerteza do que é.

3 de fevereiro de 2009 às 14:20

Rach disse...

""Estou fora de mim! Só posso estar fora de mim, o que é algo que me acontece regularmente mas nunca aconteceu literalmente. "

posso dizer que adoro esta passagem?**"

A parte em que pego no termo figurativo e o torno literal.

3 de fevereiro de 2009 às 14:21

Bruno Feira disse...

"Escrever sobre algo que nunca se viveu é exactamente o que escrevo, ficção. Se tivesse vivido teria outro nome qualquer."

Mas mesmo a ficção pode ser... sentida. Tu podes escrever sobre amor, ódio, inveja, qualquer sentimento humano sem estares a passar por ele realmente, porque o consegues simular. Ou seja, consegues sentir, para falar sobre isso. O que eu quero dizer é que neste caso, não consegues sentir, porque não consegues realmente imaginar ou recriar dentro de ti a experiência. Porque não consegues sair do teu corpo e... sentir...

Entendes?

Não?

Pois...

6 de fevereiro de 2009 às 01:14

Enviar um comentário