Posted by Unknown in

Nesta cidade estranha, no meio de uma cultura que ainda não consegui entender a lua tem sido a minha única companheira. Estou há 4 dias como o actor do filme "Lost in translation", estou a sofrer de um Jet Lag incrível e está a ser impossível colocar o sono em dia, pois o dia aqui é a noite no país onde moro e tenho de andar de escritório em escritório, da mesma empresa, a ser apresentado e ver os cantos à casa, e à noite não tenho sono pois é o dia de onde venho. Sinto-me a explodir de sono durante o dia e fresco como se acabasse de acordar durante a noite. Perco-me nesta cidade que como eu não dorme. Tudo é grande quer em dimensão quer em preços, tudo é extremamente organizado as pessoas extremamente disciplinadas.
Ontem durante um jantar da empresa, levantei-me para ir ao WC e quando voltei à sala estava sozinho, nem uma pessoa me esperava e eu não sabia onde estava nem a que distancia estava o meu hotel. A empregada de mesa, simpática, disse-me que o patrão se tinha levantado e deixado o restaurante e que todos os funcionários o seguiram. Ninguém comeu!
Se na Alemanha o meu patrão durante um jantar saísse, ninguém o iria seguir, primeiro a comida e o patrão se amuou que se foda. Não consigo perceber esta mentalidade e não encontro uma forma de me adaptar.
Mas nem tudo é mau o nascer do sol é lindo não sendo à toa que este é o país do sol nascente.

"Mas nem tudo (...) do sol nascente."

E foi assim que, depois de voltar para casa. Depois de me encontrar à frente do computador,  o meu fiel companheiro de longas viagens (tanto físicas; quando viajava por motivos de trabalho, para fora, como mentais, quando viajava sem sair do lugar) que me decidi a escrever as minhas memórias.
E eram estas últimas viagens, as mentais, ( um dia à saída do metro, alguém me deu um panfleto sobre um workshop onde explicavam e ensinavam como fazer viagens mentais, sendo esta técnica conhecida desde a antiguidade por personalidades como Cícero e Platão. Eu fui) que me iriam dar memórias e ideias para o que iria escrever a partir de então.
O simples facto de poder fazer o que quisesse, sem que isso afectasse tanto o meu corpo como a minha vida, era fantástico.

Continuará no próximo cadáver esquisito... ou não.



This entry was posted on domingo, novembro 15 at domingo, novembro 15, 2009 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

4 Devaneios

Então a primeira parte foi fruto de uma viagem mental.

Pois, estou a ver.

Assim também eu quero ir a Tóquio, mas antes passo pela Noruega, sem dúvida!

:)

15 de novembro de 2009 às 21:50

Acho que este foi o Cadaver menos esquisito de sempre... lol

Bem, a cena do jantar, Bruno... Eu cá ficava sentadinha a comer! :p

E Ipsis Verbis, bem colocada, esta da viagem mental :)

Beijitos a ambos :)

22 de novembro de 2009 às 22:39

perfeito parabéns, já virei seguidor e fã

23 de novembro de 2009 às 15:28

perfeito parabéns, já virei seguidor e fã

23 de novembro de 2009 às 15:28

Enviar um comentário