Jardins ninfomaníacos  

Posted by Unknown in




Quando amanheço, com ele no ar,
e agito-o, sem querer,
e em minutos, bem devagar,
quero-me vir.

Quero-me vir, mas não me venho,
pois tu acordas e ele olha, p'ra ti,
quer um pedaço, da tua atenção,
do teu esfregão.

Ele quer-te comer, não tenho culpa,
é ele quem manda e eu obedeço,
ele toma controlo, faz o que quer,
eu nem gosto de te foder,
Dá-me atenção, eu também estou aqui,
sinto-me usado, sinto-me abusado,
Por ti mulher.

Tu nem me ligas, só gostas dele,
Pegando-o, sem pudor,
Vai com jeitinho, ele é meu
e isso dói.

Ai como dói, já nem o sinto,
ele não murcha, que spray é esse?
ardo em dor, sinto calor,
será que é, um esquentamento?
ou eu não tenho, andamento p'ra ti,
quero parar, mas não me deixas.


Grande maluca, tu vai ao médico,
tu és doente, eu sou abstémio,
larga-me o fecho, deixa-me em paz,
sexo não é, quando quiseres,
eu tenho um limite e este é o meu fim,
por minha cruz
apaga-se a luz, eu já me vim...

This entry was posted on segunda-feira, dezembro 29 at segunda-feira, dezembro 29, 2008 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

3 Devaneios

Lolada

29 de dezembro de 2008 às 17:03

"eu nem gosto de te foder..." LOL

o terrível "fado" dos homens :D

bjs

30 de dezembro de 2008 às 18:03

Aqui nesta parte :

"ou eu não tenho, andamento p'ra ti,"

Tirava o "p'ra ti"

Fica mais "fluido.(metaforicamente falando, claro).

E depois também rima com esquentamento!

6 de janeiro de 2009 às 12:09

Enviar um comentário