Se conduzir...  

Posted by Bruno Fehr in

Não sei quem sou nem o que faço aqui. Sei que estava em casa e resolvi sair. Bebi, bebi muito. Não sei quanto nem importa. Olho em volta e não conheço ninguém. Mais um cigarro, mais um vodka e sigo viagem. Estou zonzo, sinto-me a querer vomitar. Abro a porta do carro e mesmo antes de entrar vomito. Sinto-me mais leve mas mais zonzo. Ligo o carro e sigo sem rumo.

Nem duzentos metros conduzi e bati em algo... uma pessoa.

- Foda-se!
Deixei o carro ir abaixo. Travei-o depois e olhei pelo retrovisor. E antes de ver mais alguma coisa, vi os meus olhos cheios de medo.
Eu estava a tremer por todos os lado. Desliguei o rádio. Respirei fundo, e desapertei o cinto.
Não queria ver o que tinha feito. Esperava que a pessoa estivesse bem, que tivesse sido só um arranhão.
Mas acho que o arranhão estava no meu carro e não naquela pessoa.
Abri a porta, pus um pé no chão e... Foda-se o que é esta merda?! E era mesmo merda, e parecia humana.

Com a sorte que tenho, o mais certo foi ter atropelado alguém que estava a aliviar-se mesmo aqui.

Parei o carro e saio. Vejo um jovem imóvel no asfalto, "que fiz eu?". Hesito entre fugir ou ficar, não fujo pois uma multidão já se encontra no local muitos mais se aproximam. Na minha cabeça está um furacão de pensamentos afogados em álcool. Não consigo parar de olhar para o rapaz no chão, "destruí a minha vida. Pior, destruí a vida de alguém, pois a minha já não valia nada".

As vozes das pessoas à minha volta, não passam de ruídos dos quais só distingo as palavras "bêbedo" e "morto".

- Calem-se, caralho!
Sento-me no chão, com as mãos a tapar a cara. Não me sinto bêbedo e nem sequer estou nervoso.
Sinto-me no limite entre o que penso que sei e o que é mesmo. E aquele corpo ali no chão rodeado de pessoas faz-me acreditar que estou mesmo acordado e que isto foi mesmo um crime.
Sinto o cheiro do sangue. Mas não quero saber se aquilo ali, apenas a uns passos de mim, é já um cadáver.
Quero voltar atrás no tempo. Quero não ter feito aquele brinde, que se viria a repetir pela noite fora. Quero acordar...
Foda-se! Estou atrasado para o casamento.

This entry was posted on sábado, março 7 at sábado, março 07, 2009 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

17 Devaneios

Bah! Inicialmente ri-me porque havia algo que nao batia certo, mas agora depois de publicar, reparo que até faz sentido...

Moral da história: Se conduzir, nao atropele ninguém!

7 de março de 2009 às 02:39

Pff... o gajo a parar o carro duas vezes... que bebedeira!

7 de março de 2009 às 02:44

Éh pá, com os copos ele deixou-o ir abaixo, parou-o depois de ir abaixo e depois parou-o porque se esqueceu que o tinha parado. Faz tudo sentido... ou nao!

7 de março de 2009 às 02:46

(o primeiro cadáver- esquisito, com um cadáver. ehehe)

Pois... segurança só na "paragem". :D
O melhor, para o próximo texto, é enviarmos apenas uma só palavra. Ahahaha. Sempre uero ver o sentido da coisa no final. :D

7 de março de 2009 às 02:52

(o raio do "q" foi dar uma volta em vez de ficar ali quientinho ao pé do "uero"...)

7 de março de 2009 às 02:57

ois oi, a rimeira etra esapareceu! or ue erá?

8 de março de 2009 às 02:10

Bolas, a meio começou a fazer assustadoramente sentido!!! Só o senão de ele ter parado o carro duas vezes ahahahah. Muito inteligente, a ipsis, não ter referido o sexo da pessoa, por não saber. Eu estava quase à espera de uma transformação transexual loool :D.

8 de março de 2009 às 02:48

mas j+a agora, ele atropelou o que afinal ???? LOOOOOOOOl! a noiva?? o noivo?? :D

8 de março de 2009 às 02:49
São  

Pois o que eu gosto mais nestes contos é mesmo do final, a última frase “vou chegar atrasado ao casamento” ficamos sem saber se trata do noivo, do padrinho ou de um outro convidado, mas mal está a coisa para ir alcoolizado para o casamento, ainda se fosse na vinda.
Conduzir com álcool não me pareça que me venha a acontecer, mas não posso dizer desta "água" não beberei, mas excesso de velocidade já não digo, embora sempre que me apercebo que vou com excesso de velocidade, penso e se tenho um acidente e mato alguém e eu fico viva, como vou continuar a viver, é remédio santo passa-me logo toda a pressa que possa ter.

8 de março de 2009 às 19:51

A cena do casamento foi lembrança à última hora. O gajo que ia a conduzir estava bêbado por ter estado numa despedida de solteiro. Depois lembrei-me de um dos últimos posts do Bruno Fehr e de ele dizer que ia ser padrinho. E foi por isso que no meio daquela aflição toda, o homem ainda se lembrou que tinha que ir ao casamento. Tentei não falar em sexo da personagem, mas no meu último parágrafo, fui-me abaixo e revelei tudo. :D

9 de março de 2009 às 16:07

Vê-se mesmo que havia bebedeira da grossa! Tudo faz sentido (impressionante!), até o pormenor de parar o carro duas vezes: é mesmo à bêbedo fazer e desfazer e voltar a fazer! :D

12 de março de 2009 às 03:46

Van disse...

"Muito inteligente, a ipsis, não ter referido o sexo da pessoa, por não saber. Eu estava quase à espera de uma transformação transexual loool :D."

Bolas para a intuição feminina :S, estou sempre em desvantagem!

"mas j+a agora, ele atropelou o que afinal ???? LOOOOOOOOl! a noiva?? o noivo?? :D"

Ele atropelou uma pessoa, quanto à parte do casamento, não faço ideia do que a Ipsis está a falar, ahahahahahaha

12 de março de 2009 às 03:51

São disse...

"Pois o que eu gosto mais nestes contos é mesmo do final, a última frase “vou chegar atrasado ao casamento” ficamos sem saber se trata do noivo, do padrinho ou de um outro convidado, mas mal está a coisa para ir alcoolizado para o casamento, ainda se fosse na vinda."

Eu escrevi metade do texto e nao sei que casamento é... ahahahahaha

12 de março de 2009 às 03:52

ipsis verbis disse...

"A cena do casamento foi lembrança à última hora. O gajo que ia a conduzir estava bêbado por ter estado numa despedida de solteiro. Depois lembrei-me de um dos últimos posts do Bruno Fehr e de ele dizer que ia ser padrinho. E foi por isso que no meio daquela aflição toda, o homem ainda se lembrou que tinha que ir ao casamento."

Ahahahahaha, o que foste buscar :D

12 de março de 2009 às 03:53

mf disse...

"Vê-se mesmo que havia bebedeira da grossa! Tudo faz sentido (impressionante!), até o pormenor de parar o carro duas vezes: é mesmo à bêbedo fazer e desfazer e voltar a fazer! :D"

Ahahahahahah. Para a próxima vamos dificultar isto muito, muito mesmo :)

12 de março de 2009 às 03:54

Sai do carro, e não volta a entrar.

Mas volta a sair.

É de noite, e está bêbado.

É de dia e vai para o casamento!

Afinal olha, era um pesadelo.

Pois eu também estava à espera da transformação de sexo estava...

15 de março de 2009 às 13:55

"ESPERO" que fosse apenas um bad dream, mesmo... :p

Beijitos

PS - Fiz uma careta na parte de pisar "merda humana", porque pensei nas tripas da vítima espalhadas pelo chão... blearrgh

27 de abril de 2009 às 21:51

Enviar um comentário