Amo-te  

Posted by Maya Gaarder in


Nunca o tinha dito a ninguém. Não porque nunca o tivesse sentido, achava que sim. Que a determinada altura até amou, ou não. Não sabia, nunca teve a certeza suficiente para que a palavra lhe saísse naturalmente, por isso nunca o disse. Gosto de ti, quero-te, desejo-te, sim, imensas vezes às pessoas que lhe tinham passado pela vida. Nunca amo-te, a ninguém.
Ouvia muitas vezes as pessoas a dizê-lo como quem diz um « bom dia, como estás », banalizando a palavra, transformando-a em algo vulgar.
Mas, a verdade é que era apenas uma palavra, não era ? Uma palavra à qual se atribuía demasiado significado, pelo menos ela fazia-o. Tinham-lhe perguntado, há tempos, Amas-me ? ela sorriu e respondeu com outra pergunta, o que achas ? ele disse-lhe que sim, que achava que sim, então isso deve bastar, foi a resposta dela. Terminaram a relação pouco tempo depois, ele terminou na verdade. Acusando-a de ser fria, sem sentimentos, incapaz de amar. Apenas porque não lho disse. Talvez tivesse razão, talvez ela fosse mesmo uma pessoa fria, porque para além de não o dizer, também nunca quis ouvir, nunca o perguntou a ninguém. Se lho diziam, era bom, mas se não o fizessem, era igual.
Até agora. Agora dava por si a engasgar-se com a palavra que parecia querer saltar-lhe da boca. Agora olhava para ele e tudo o que lhe apetecia dizer era Amo-te. Eu amo-te. Logo agora, quando não era suposto dizer, quando nem sequer sabia se era algo que ele queria ouvir.
Era engraçado, que logo agora que o queria dizer, estivesse numa posição em que nunca o faria, não o diria em voz alta. Mas podia pensá-lo, e dizê-lo para si própria, não havia mal nenhum nisso, ninguém teria de ouvi-la dizer Amo-te, Eu amo-te, ninguém precisava saber. Só ela…

This entry was posted on sexta-feira, abril 29 at sexta-feira, abril 29, 2011 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

3 Devaneios

Olá
Não são os únicos com os tempos trocados... o que não falta por aí é gente assim. :-)
Para a próxima desejo-lhes melhor sorte. ;-)
Bom texto!
Beijo

6 de maio de 2011 às 09:55

Hummmm...

As palavras têm mesmo a importância que cada um lhe dá...
Sempre o disse. :)

Engraçado que este texto me fez lembrar um ex... Que nunca disse que me amava até ao dia em que, já terminado o relacionamento, me enviou uma SMS cheia de "Amo-te"'s.
Perguntei-lhe porque o fazia nesse momento, se nunca o dissera.
A resposta dele: "Porque era o que querias ouvir..."

Quereria? Não, nunca quis "ouvir". Queria, sim, que os gestos coincidissem com as palavras, mesmo as não ditas e que eu sabia existirem.
E aqueles "Amo-te" ficaram-me marcados na memória como os únicos "Amo-te" que algum dia ouvi como sinónimo de "desespero" e de "chantagem emocional".

Belíssimo e profundo texto, Maya...

beijitos :)

11 de maio de 2011 às 02:05

Tempos trocados ou emoções trocadas, sentimentos que não batem certo.
Uma palavra, aparentemente tão simples, e sim, tem apenas o significado que lhe damos.
Quem nunca quis dizer e quem nunca deu tudo para ouvir? :)

17 de maio de 2011 às 14:46

Enviar um comentário