Vais voltar?  

Posted by Maya Gaarder in

O som de uma mensagem recebida no telemóvel acordou-o. O relógio marcava 3 da manhã. Olhou para a mulher que continuava a dormir placidamente ao seu lado. Àquela hora, só podia ser uma pessoa. A mensagem, uma palavra apenas : amanhã. Ia vê-la amanhã. Sentiu o estômago contrair-se instantâneamente, algo que acontecia sempre que pensava nela. Já não se viam há muito tempo, demasiado até.
Lembrava-se perfeitamente da última vez em que se viram, conseguia ainda ver com clareza a expressão do rosto dela, quando ele lhe fez a pergunta de sempre : Vais voltar ? Sentiu a hesitação dela, prendeu a respiração esperando, esperando que dessa vez ela lhe dissesse que sim, que ia voltar. Estava convencido que daquela vez, a resposta quase foi diferente, mas no último momento, ela voltou-se e disse que não, não voltaria.
Mas amanhã, sim, amanhã encontrar-se-iam outra vez. No sítio de sempre. Onde por momentos, sempre tão breves, a teria nos braços e a amaria. Fingindo que não, fingindo que não a conhecia tão bem como a si próprio. Tratando-a como a uma estranha com quem partilhava apenas o corpo e umas horas de prazer.
Ao contrário do que ela pensava, conhecia-a, demasiado bem até. Por isso aceitava jogar nos termos dela, aceitava as condições dela, mas conhecia-a. Antes até de lhe ter falado pela primeira vez já a conhecia. Costumava vê-la ao longe, frequentavam os mesmos lugares, despertou-lhe a atenção pela primeira vez numa tarde em que a viu sentada sozinha numa mesa do café. Sempre foi observador e num momento de tédio enquanto esperava a mulher que tinha ficado de se encontrar com ele ali depois de uma expedição de compras, entreteve-se a observar os restantes clientes.
O olhar prendeu-se nela. Apesar do aspecto cuidado, havia nela um ar de desalinho que achou curioso. Como se tivesse passado no meio de um grande vendaval que deixou tudo ligeiramente fora do sítio. Era Inverno e ela trazia um casaco de fazenda pesado com um dos botões pendurado, o cachecol estava desfiado numa das pontas e várias madeixas de cabelo escapavam do rabo de cavalo com que o tinha prendido. O rosto era bonito, se bem que não harmonioso, o nariz era demasiado grande e destoava do resto das feições, os labios eram finos e as maçãs do rosto salientes, mas os olhos… foram os olhos que o prenderam. Nunca tinha visto olhos daquela cor, não conseguia dizer com certeza se eram azuis, verdes ou cinzentos, mas mais do que a cor, foi a expressão que o cativou.
Viu-a mais vezes, muitas mais, antes daquele dia em que a abordou na livraria. Antes da primeira vez. Sabia que o nome que lhe dissera ser o seu não era verdadeiro, não foi preciso muito para o descobrir. Sabia tudo o que ela a tanto custo lhe tentava esconder, aprendera-o nas entrelinhas, de tudo o que ela lhe tinha dito, não querendo dizer a verdade. E amava-a. Amanhã, amanhã voltaria a perguntar e talvez desta vez ela respondesse que sim quando lhe perguntasse : Vais voltar ?

This entry was posted on quinta-feira, março 24 at quinta-feira, março 24, 2011 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

4 Devaneios

Olá!
Venho até aqui pedir a sua atenção para um assunto sério e que com a união e participação de todos poderemos salvar vidas.
Eu e o meu amigo Milton Kennedy, resolvemos nos unir em prol de uma campanha sobre a doação de medula óssea e contamos com todos os amigos da Blogosfera para divulgá-la.
Você poderá nos ajudar?
Desde já agradecemos...
Um abraço carinhoso

25 de março de 2011 às 12:16

Eu li...reli... e a cada linha mais me encantava com a riqueza da história.

Confesso que me vi em alguns momentos...

Você está em minha nova postagem... Quando puder passe por lá para conferir!

Um beijo com carinho

4 de abril de 2011 às 15:38
Anónimo  

E se ela disse que sim?
Que fazias à mulher?

Isto é só um comentário, adorei ler este texto, fez-me lembrar algumas cenas da minha vida, completamente diferentes, mas fez-me lembrar...de novo recordar o que tento não pensar...
Maria

20 de abril de 2011 às 23:50

Obrigada pelo comentario Tatiana.

Maria... talvez a mulher seja o motivo pelo qual ela diz que não vai voltar. Quem sabe?
:)

17 de maio de 2011 às 14:11

Enviar um comentário